Série - maio 29, 2024

Desista de controlar • 16 a 21 de janeiro

INTRODUÇÃO

Como todos já sabem, a Central está ministrando nesse início de 2023 uma nova série de pregações chamada ESCOLHAS. A primeira mensagem foi sobre escolher o propósito ao invés da popularidade, e no domingo passado, fomos desafiados a escolher a rendição ao invés do controle. Porque, como foi pregado, a realidade é que sempre estamos tentando controlar algo que não nos cabe, e essa necessidade de controle é apenas o reflexo visível de um grande problema espiritual: no fundo, querer o controle é tentar ser como Deus.

Leitura bíblica: Provérbios 3.5-6 e Salmos 37.5

Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apoie em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e ele endireitará as suas veredas. (Provérbios 3:5,6)

Entregue o seu caminho ao Senhor; confie nele, e ele agirá. (Salmo 37.5)

Pergunta: (1) Você admite que é como a maioria das pessoas e que ama sentir que está no controle e que tudo está sendo feito “do meu jeito”? (2) Baseado em sua experiência nessa área, quais seriam as principais características de pessoas que gostam de controlar?

Será que conseguimos fazer uma lista com algumas características de pessoas controladoras?

Apresentaremos a seguir algumas características de uma pessoa que gosta de controlar. Se você se identificar com algumas dessas características, é bem possível que se encontre no rol das pessoas controladoras. Vamos à lista:

Possessividade. Controladores tendem a dominar as relações com seus cônjuges, filhos, amigos e até colegas de trabalho e clientes. Eles podem demonstrar possessividade através da comunicação frequente e cobrança de satisfações, ficando nervosos quando uma pessoa não atende ligações ou e-mails rapidamente, com ciúmes quando as pessoas passam tempo com outras e criticando as coisas com frequência.

Superproteção. Esse sinal é manifestado através de ligações constantes, exigindo detalhes sobre o paradeiro de familiares e amigos a todo o momento e criticando severamente a decisão das outras pessoas quando elas

discordam.

Mau humor. O mau humor é um grande sinalizador de alguém controlador, precisamente porque essas pessoas são extremamente temperamentais e tendem a ficar remoendo mágoas e injustiças de forma pessoal e por muito tempo, tentando remediar a dor interna e melhorar a sua situação controlando os outros.

Temperamento Explosivo. Acessos de raiva frequentes são sinais de um tipo de personalidade controladora. Explosões de temperamento muitas vezes acontecem quando você discorda deles ou não faz exatamente o que eles desejam. Em suas mentes, você está desafiando a autoridade deles, discorda de suas opiniões ou não satisfaz os desejos que têm.

Manipulação pela comunicação. Algumas personalidades controladoras usam da comunicação manipulativa, como o elogio ou a fofoca, para direcionar uma situação ou relacionamento da forma que melhor lhes convier.

Dificuldade em elogiar. Geralmente, pessoas com problemas de controle não são muito boas em dar elogios sinceros. Elas não querem que o outro se sinta bem consigo mesmo, pois isso pode tirar o controle e a atenção delas.

Ar de superioridade. Pessoas controladoras costumam humilhar ou criticar os outros como um meio de se mostrarem superiores.

Poucas amizades. Controladores muitas vezes não têm tantos amigos próximos. Eles tendem a ter ciúmes de pessoas populares, bem-sucedidas, e criticam aqueles que são muito queridos pelos outros. A falta de amigos pode ser um sinal adicional da incapacidade de tolerar os outros e da necessidade de controlar as relações com firmeza.

AVALIAÇÃO PESSOAL:

Então, o que você está achando? Você é ou não uma pessoa que gosta de controlar? Alguns desses sinais apresentados fazem parte do seu estilo de vida? Você conseguiu entender que possui um espírito controlador?

Um exemplo bíblico de um terrível espírito controlador é o da rainha Jezabel, mulher do rei Acabe. Mulher controladora, rebelde e manipuladora que destruiu os profetas do Senhor no tempo de Elias. Jezabel é o exemplo de alguém que não conseguia ter amizade nem comunhão com ninguém que ela não pudesse manipular e dominar no seu relacionamento. Esse espírito procura conquistar a confiança das pessoas para poder influenciá-las.

Será que não somos assim também? Será que não gostamos de dominar, manipular e controlar as pessoas, coisas e situações que estão à nossa volta? Uma coisa é certa: Deus nos trouxe aqui para tratar a nossa vida e nos ajudar a vencer essa vontade louca de controlar todas as pessoas e todas as coisas. Hoje é o dia na qual precisamos desistir de controlar!

Além de todas as dificuldades que a atitude controladora traz nos relacionamentos, no estado emocional sempre preocupado e ansioso, de medo, insegurança e mau humor, o problema maior é que gente controladora tem grande dificuldade de confiar em Deus. E, se tem grande dificuldade de confiar, talvez nunca conseguirá experimentar uma completa rendição de sua vida a Jesus.

Repetindo: Gente controladora tem grande dificuldade de confiar em Deus e talvez nunca conseguirá se render verdadeiramente a Jesus.

E como lemos em Provérbios 3 e no salmo 37, é quando confiamos que abrimos as portas de nossa vida para o agir poderoso de Deus. Se alguém não consegue confiar, talvez nunca conseguirá ver Deus endireitando as suas veredas e agindo em seu favor.

Rendição é abrir mão do senhorio e do controle.

Render-se quer dizer abrir mão do senhorio completo da sua vida e entregar tudo a Deus. Contudo, Deus não quer que nós façamos isso de má vontade. Se for de má vontade, não é rendição.

Uma pessoa pode render-se a alguém mais forte, ou um exército a outro mais poderoso. Alguém pode render-se a Deus por ele ser todo-poderoso. Nada disso é rendição plena.

Rendição incondicional a Deus de todo o nosso ser (coração, corpo e alma) só é possível quando descobrimos e confiamos que Deus é mesmo bom e fiel, e que sempre quer o nosso maior bem, porque nos ama e tem um propósito para nós.

Sendo nós criaturas e não o Criador, a rendição é na verdade a melhor escolha. Como num jogo de xadrez, se deixarmos que ele seja “o senhor do tabuleiro”, nos abriremos para uma vida de vitória, descanso e para receber as bênçãos de Deus.

Quando resistimos em entregar tudo a Deus e confiar nele, por insistir em acreditar que somos inteligentes o bastante para planejar e conduzir a nossa vida, nos fechamos para o agir sobrenatural e maravilhoso de Deus, assumimos pesos que não deveríamos carregar, gerando preocupação, ansiedade e medo, e ainda nos colocamos em situações desconfortáveis e de contínuo conflito com as pessoas.

Quando quero controlar, os outros são sempre um problema. Não se comportam do jeito que quero, de modo que tento encontrar uma maneira para manipulá-los, apaziguá-los, adulá-los, intimidá-los ou controlá-los. No trabalho, em casa, no casamento, em tudo, as coisas tem que acontecer do meu jeito, e no final, sempre encontrarei resistências, conflitos e me tornarei uma pessoa frustrada, ansiosa e crítica.

Jesus ensinou em várias oportunidades sobre essa estranha verdade de que o poder nos sobrevém não quando buscamos o controle, mas quando entregamos com liberalidade nossos pequenos centros de controle a Deus. Veja o que ele ensinou em João 12:

Digo-lhes verdadeiramente que, se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, continuará ele só. Mas se morrer, dará muito fruto. Aquele que ama a sua vida, a perderá; ao passo que aquele que odeia a sua vida neste mundo, a conservará para a vida eterna. Quem me serve precisa seguir-me; e, onde estou, o meu servo também estará. Aquele que me serve, meu Pai o honrará. (João 12:24-26)

Nessa passagem, Jesus explicou que, se um grão de trigo permanecer só, não dará fruto, mas, se for depositado no chão e morrer, então viverá. Aplicando para nossa vida, ele afirmou que, se negarmos a nós mesmos, seremos satisfeitos. Que, se buscarmos salvar nossas vidas, nós a perderemos, mas, quando a perdemos por causa dele, então vivemos.

Fica bem claro que, segundo Jesus, quando nos rendemos, ao invés de perder a nossa vida, na verdade, recebemos mais poder para viver a vontade dele. Somos chamados a confiar nele a cada dia, sempre.

É por isso que nunca devemos deixar nada fora do controle de Deus. Precisamos chegar ao ponto de confiar que ele está de fato cuidando de nós e é perfeitamente capaz de supervisionar nossas vidas e todo o universo. Porque ele é Deus.

Como nos livramos da necessidade de ter o controle?

A Bíblia tem resposta para todas as coisas, inclusive para a cura do espírito controlador. Como é possível vencer o desejo de controlar? Como é possível desistir de ser um controlador e se render a Cristo?

Para desistir de controlar…

1. ADMITA que você tem esse PROBLEMA

O primeiro passo para se livrar do espírito controlador é admitir o problema. Sem esse primeiro passo, não haverá chance de alcançar a cura.

Quando olhamos para a Bíblia, encontramos vários homens de Deus que reconheceram seus problemas, seus erros, seus pecados e tiveram a vida totalmente transformada. Alguns tinham problemas com mentiras, outros com pecados na área sexual, outros eram manipuladores, outros eram enganadores; porém, os que deram o primeiro passo para a cura, reconhecendo que tinham um problema, tiveram suas vidas restauradas.

O grande rei Davi foi alguém que admitiu que tinha um problema na área sexual e foi capaz de confessar o seu pecado a Deus, dando assim o primeiro passo para sua restauração:

Pois eu mesmo reconheço as minhas transgressões, e o meu pecado sempre me persegue. Contra ti, só contra ti, pequei e fiz o que tu reprovas, de modo que justa é a tua sentença e tens razão em condenar-me. Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde que me concebeu minha mãe. […] Cria em mim um coração puro, ó Deus, e renova dentro de mim um espírito estável. (Salmo 51.3-5,10)

Assim como Davi, o apóstolo Paulo também foi alguém que admitiu que tinha um problema de orgulho e de controle. Escrevendo sua segunda carta aos Coríntios, ele disse o seguinte:

Para impedir que eu me exaltasse por causa da grandeza dessas revelações, foi-me dado um espinho na carne, um mensageiro de Satanás, para me atormentar. Três vezes roguei ao Senhor que o tirasse de mim. Mas ele me disse: “Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”. Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim. (2 Coríntios 12:7-9)

Enquanto você não for capaz de admitir que tem um problema, o poder de Cristo não poderá trabalhar em você e através de você. Esse é um princípio que se aplica a todas as áreas de nossa vida, inclusive para se livrar da necessidade de sempre controlar tudo, e nunca se entregar ou se render. É apenas quando admitimos que temos um problema, que assumimos que não temos condições de vencê-lo sozinho e de que precisamos de alguém que possa nos ajudar neste processo. Admita seu problema e o poder de Cristo vai começar a trabalhar em você!

Para desistir de controlar…

2. DECIDA fazer as MUDANÇAS NECESSÁRIAS

Outro passo importante para se ver livre desse espírito controlador é decidir fazer as mudanças que precisam ser feitas! Às vezes, somos até capazes de admitir o nosso problema, mas não desejamos fazer as mudanças necessárias.

É impossível que algo transformador aconteça na vida de quem nunca decide corajosamente fazer mudanças. Ele será apenas um mero expectador das grandes coisas que Deus fará na vida dos outros, nunca na dele, porque Deus só age naqueles que decidem fazer as mudanças necessárias.

Paulo, escrevendo aos crentes de Éfeso e falando sobre o procedimento dos filhos da luz, mostra claramente que no processo de restauração precisamos fazer as mudanças necessárias:

Portanto, cada um de vocês deve abandonar a mentira e falar a verdade ao seu próximo, pois todos somos membros de um mesmo corpo. “Quando vocês ficarem irados, não pequem”. Apaziguem a sua ira antes que o sol se ponha, e não deem lugar ao diabo. O que furtava não furte mais; antes trabalhe, fazendo algo de útil com as mãos, para que tenha o que repartir com quem estiver em necessidade. Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem. […] Livrem-se de toda amargura, indignação e ira, gritaria e calúnia, bem como de toda maldade. Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus perdoou vocês em Cristo. (Efésios 4.25-29,31-32)

Com relação ao espírito controlador, preste atenção nas

mudanças que você vai precisar fazer para que haja cura em sua vida:

• Se você é possessivo, vai precisar ser mais altruísta e generoso.

• Se você é superprotetor, vai precisar se controlar e confiar que é Deus quem protege.

• Se você é mal humorado, vai precisar sorrir mais.

• Se você tem temperamento explosivo, irritabilidade, vai precisar ser mais paciente.

• Se você tem um ar de superioridade, vai precisar ser mais humilde.

• Se você tem poucas amizades, vai precisar ser mais social e simpático.

A pergunta é: será que você está disposto a fazer todas essas mudanças? Será que você deseja abandonar mesmo esse espírito controlador? Se você decidir fazer as mudanças necessárias, uma coisa é certa: não será fácil, mas, também, não será impossível! Decida hoje fazer as mudanças necessárias e Deus trará cura para seu espírito controlador.

Para desistir de controlar…

3. SUBMETA sua vida ao CONTROLE de Deus

Eis aqui mais um passo para que sejamos capazes de desistir do espírito controlador que nos domina: submeter a nossa vida ao controle de Deus. É certo que se mantivermos o controle da nossa vida em nossas próprias mãos, o resultado esperado será cansaço, amargura, dores e frustrações. Mas hoje, no início deste novo ano, podemos escolher agir diferente. Podemos escolher a rendição ao invés do controle.

Jesus, no sermão da montanha, desafia os seus ouvintes a submeterem suas vidas ao controle de Deus e faz promessas para aqueles que aceitarem esse desafio:

“Portanto eu lhes digo: não se preocupem com suas próprias vidas, quanto ao que comer ou beber; nem com seus próprios corpos, quanto ao que vestir. Não é a vida mais importante do que a comida, e o corpo mais importante do que a roupa? […] Portanto, não se preocupem, dizendo: ‘Que vamos comer?’ ou ‘que vamos beber?’ ou ‘que vamos vestir?’ Pois os pagãos é que correm atrás dessas coisas; mas o Pai celestial sabe que vocês precisam delas. Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas. (Mateus 6.25,31-33)

Entregar o controle da vida nas mãos de Deus é sinal de humildade, é marca daquele que reconheceu que não tem condições de governar a sua própria vida. Pedro fala sobre isso em sua primeira carta:

Portanto, humilhem-se debaixo da poderosa mão de Deus,

para que ele os exalte no tempo devido. Lancem sobre ele toda a sua ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês. (1 Pedro 5:6,7)

Davi compreendeu essa verdade: o controle da sua vida precisava estar nas mãos do Todo-Poderoso, nas mãos daquele que tem condições de ser o único controlador de tudo e de todos.

Confie no Senhor e faça o bem; assim você habitará na terra e desfrutará segurança. Deleite-se no Senhor, e ele atenderá aos desejos do seu coração. Entregue o seu caminho ao Senhor; confie nele, e ele agirá: Ele deixará claro como a alvorada que você é justo, e como o sol do meio-dia que você é inocente. (Salmo 37.3-6)

É um desejo natural querer estar no controle, contudo, não é um alvo possível. Assumir que você pode controlar todas as pessoas e situações que surgem em sua vida é uma expectativa irreal e isso o levará à frustração e à exaustão.

Deus tem um plano abençoado para todas as pessoas, o que inclui uma vida bastante superior a tudo que o mundo possa oferecer, mas atingir isso envolve negar-se a si mesmo. O processo de abrir mão e desistir do controle pode ser doloroso, mas o resultado final vale a pena. Assim, pare de querer assumir o controle e deixe Deus ser Deus em sua vida.

CONCLUSÃO

Talvez você tenha chegado aqui completamente exausto, cansado, triste e frustrado por causa do espírito controlador que existe em você. A boa notícia é que hoje você pode desistir de controlar todas as coisas e todas as pessoas. Deus tem uma vida nova pra você, onde o seu único esforço será lançar sobre ele todas as suas preocupações, deixando que ele cuide e controle cada detalhe do seu viver.

Desista de controlar! Escolha a rendição completa de sua vida a Deus ao invés de tentar ser Deus, e tentar controlar sua vida. Deus é o Senhor do tabuleiro e só ele pode e sabe mexer todas as peças ao mesmo tempo e na direção certa. Confie no Senhor e entregue seu caminho a Deus, então ele agirá.

Ministração

Ajude as pessoas a orarem individualmente e em silêncio. Confessando sua dificuldade em render sua vida a Deus e aos seus cuidados. Conduza também um momento de oração com o grupo, orando uns pelos outros e tomando a decisão de entregar tudo a Deus. Que cada um tome a decisão de se render a Deus e desistir de controlar sua vida e a vida das pessoas:

1. ADMITINDO que tem esse PROBLEMA;
2. DECIDINDO fazer as MUDANÇAS NECESSÁRIAS; 3. SUBMETENDO sua vida ao CONTROLE de Deus.