Série - dezembro 03, 2022

Célula! Lugar de… Relacionamentos • 11 a 16 de julho

INTRODUÇÃO

Começamos, na semana passada, uma nova série muito especial! Nela vamos falar sobre a essência da Igreja em Células. Vamos aprender os valores fundamentais de uma célula, conheceremos as bases bíblicas do viver igreja e seremos renovados de maneira poderosa por Deus.

Nos reunimos em nossa célula semanalmente, mas corre- mos o risco de entrar no piloto automático. Nas próximas semanas teremos a oportunidade de promover reflexões profundas sobre o funcionamento da nossa célula, vamos identificar seus fatores de saúde e concluíremos essa sé- rie cheios de inspiração e entendimento bíblico.

Será forte e renovador, tanto para você, líder da célula, quanto para seus membros e visitantes! Prepare-se para essa jornada! Aproveite ao máximo os recursos propos- tos ao longo da série. Envolva sua célula nas perguntas, dinâmicas e desafios que serão disponibilizados durante as lições.

Pare por uns instantes e ore pelas pessoas da sua célula. Ore pela sua reunião dessa semana. Deus abençoe muito sua vida e sua liderança!

QUEBRA-GELO E ORAÇÃO

Vamos analisar juntos o Mapa de Relacionamentos da Cé- lula?

Separe dois grupos. Um composto pelos homens da célula e o outro composto pelas mulheres. Agora peça para cada grupo avaliar o nível de relacionamento que possui entre si, a partir dos tópicos abaixo. Se quiser, entregue papel e caneta para cada pessoa fazer as suas listinhas:

• Liste o nome dos irmãos da célula que você já visitou em suas casas.

• Liste quais irmãos da célula já visitaram a sua casa.

• Liste o nome dos irmãos da célula dos quais você co- nhece a família.

• Liste qual é o trabalho/ocupação de todos os integran- tes da célula.

• Liste os pedidos de oração atuais dos integrantes da célula, a partir do que você sabe sobre o momento atual da vida de cada um.

Dica: a partir dos tópicos acima, sua célula fará um ótimo diagnóstico do nível de relacionamento e intimidade que as pessoas possuem umas com as outras. Aproveite essa

dinâmica para propor ações a fim de melhorar as fraque- zas identificadas. Finalize com um momento de oração em duplas pelos pedidos que foram listados.

COMUNIDADE APLICADA

Na semana anterior, aprendemos o conceito de comunida- de, vimos biblicamente que todo cristão faz parte de uma comunidade aberta e dinâmica e que essa comunidade espelha a natureza do próprio Deus. Conhecemos a Igreja de Duas Asas e fomos desafiados a nos envolver em cada uma dessas asas, vivendo uma experiência completa da comunidade proposta por Jesus no Novo Testamento.

Hoje, vamos aprender como essa noção bíblica de comu- nidade deve ser aplicada ao nosso dia a dia, descobrindo a qualidade dos relacionamentos que Deus nos desafia a viver em nossa Igreja em Células. Vamos elevar o nível dos nossos relacionamentos! Você está preparado para ver o que a bíblia diz sobre essa comunidade de relacio- namentos?

1. Relacionamentos que vencem o individualismo

A bíblia afirma que Deus é amor (1 João 4:8). Tim Keller, citando os estudos de Agostinho, afirma que:

“Se Deus fosse unipessoal, não haveria amor até ele ter cria- do alguém. Portanto, o amor na verdade não seria intrínseco a Deus. Mas, se temos um Deus que é tripessoal e, portanto, está em uma comunidade amorosa de relacionamentos des- de o início, então o amor está na base de tudo, e é a razão de acharmos que o amor é tão importante e porque relacio- namentos são mais vitais do que qualquer outra coisa. Dizer que Deus é amoroso, isso é uma coisa. Mas dizer que Deus é amor em sua essência, isso é outra coisa”.

Quando Deus criou todas as coisas em Gênesis 1, os ver- sos bíblicos indicam a atuação divina da seguinte forma: “Disse Deus: Haja”. Dessa forma Deus criou os céus, as estrelas, a terra, a vegetação, os mares e os animais. En- tretanto, ao criar o ser humano, a expressão muda:

Então disse Deus: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança. (…) Criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. Deus os abençoou, e lhes disse: “Sejam férteis e multipliquem-se (…). Gênesis 1:26-28

Na crianção do homem e da mulher, vemos a atuação da Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo), agindo conjunta- mente. A maneira como o ser humano foi criado, revela que somos seres relacionais, porque fomos feitos à ima- gem de um Deus relacional. As pessoas não foram criadas para viver isoladamente, ou buscar o individualismo.

Todos os direitos reservados à Igreja Batista Central de Belo Horizonte

1

Vivendo de maneira egosísta e individualista vamos con- tra nossa natureza e negligenciamos nossas necessida- des mais profundas. O próprio Deus, ao ver Adão com os animais no jardim do Éden, afirmou que não era bom ao homem estar só. Fomos criados por Deus para mútua cor- respondência, para relacionamentos.

No livro de Joel Comiskey, Fundamentos Bíblicos Para a Igreja Baseada em Pequenos Grupos, lemos a seguinte afir- mação:

“A natureza da Divindade como uma pluralidade de pessoas interdependentes forneceu o modelo para relacionamentos entre seres humanos. Não era bom que o homem estives- se só porque sua criação à imagem de Deus requeria uma união de caráter único com alguém como ele.” (Comiskey 2015, página 39)

Muitas pessoas justificam seu isolamento e individualis- mo dizendo: “eu sou assim, mesmo” ou “não tenho tem- po pra relacionamentos”. Mas precisamos lembrar que nossos pensamentos e nosso jeito de ser não podem ser governados pela cultura que nos cerca e sim pela palavra de Deus. Assim como Deus é uma comunidade, nos fomos criados para comunidade.

O sonho de Deus é que estejamos ligados a uma comuni- dade de relacionamentos saudáveis, que se multiplicam e geram frutos. Somos herdeiros da natureza divina: uma comunidade de relacionamentos de amor, respeito e mu- tualidade que cresce e se multiplica!

Discussão em Grupo – após explicar o conceito bíblico de um Deus relacional que nos criou à sua imagem, promo- va um debate, desafiando os presentes a se expressarem acerca dos itens abaixo:

• Você se considera individualista ou você tem priorizado investir nas pessoas à sua volta?

• Nossa célula tem sido uma comunidade saudável de re- lacionamentos?

• Como nossa célula pode nos ajudar a viver esse modelo bíblico, inspirado na Trindade, de relacionamentos anco- rados em amor?

2. Relacionamentos que me levam a olhar o bem da co- munidade

Entendemos que Deus é trino (três pessoas em uma só) e vimos que os seres humanos foram criados pela mes- ma essência comunitária. Ao olharmos para as escrituras, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, vemos que Deus chamou seu povo para viver em comunidade. Assim como a trindade transborda amor e trabalha para o bem de todos ao redor, o povo de Deus é desafiado a expressar esse tipo de comunidade.

Deus chamou Abraão para sair da sua terra para iniciar um novo povo (Gênesis 12:1), onde Deus iria restaurar

suas leis e seu modo de vida. Deus prometeu que abenço- aria Abraão e por meio dele, todos ao redor seriam aben- çoados (Gênesis 12:3).

Da mesma maneira, Deus nos chama a sair da nossa cul- tura e zona de conforto para formar um povo que obedece a sua palavra e vive de maneira diferente do mundo ao redor. Um povo que é abençoado e que não vive só para si, mas se importa em transbordar a presença e as bençãos de Deus para as pessoas que o cercam.

Em todo o Antigo Testamento, o povo Hebreu seguia a ins- trução de Deus de ajudar os estrangeiros e os necessita- dos (Levítico 19: 9-10; Levítico 23:22; Deuteronômio 10: 18-19; Deuteronômio 27: 19), eram também um povo ex- tremamente hospitaleiro (Jó 31: 32; Isaías 58: 6,7). Além disso, tinham que cuidar uns dos outros, tratando as pes- soas da comunidade como os de sua própria casa (Deute- ronômio 23:19; Neemias 5:7-11; Levítico 25: 39,40).

No Novo Testamento, a mesma linha se mantém de forma que a comunidade de cristãos do primeiro século tinha a simpatia dos não crentes (Atos 2: 44-47), pois ajudavam- -se mutuamente e também ajudavam as pessoas ao re- dor. Em Romanos 12, Paulo dá várias instruções de como os cristãos deviam intencionalmente trabalhar para gerar essa comunidade de relacionamentos de cuidado mútuo:

“Assim como cada um de nós tem um corpo com muitos membros e esses membros não exercem todos a mesma função, assim também em Cristo nós, que somos muitos, formamos um corpo, e cada membro está ligado a todos os outros. Temos diferentes dons, de acordo com a graça que nos foi dada. Se alguém tem o dom de profetizar, use-o na proporção da sua fé. Se o seu dom é servir, sirva; se é en- sinar, ensine; se é dar ânimo, que assim faça; se é contri- buir, que contribua generosamente; se é exercer liderança, que a exerça com zelo; se é mostrar misericórdia, que o faça com alegria. O amor deve ser sincero. Odeiem o que é mau; apeguem-se ao que é bom. Dediquem-se uns aos outros com amor fraternal. Prefiram dar honra aos outros mais do que a si próprios. Nunca lhes falte o zelo, sejam fervorosos no espírito, sirvam ao Senhor. Alegrem-se na esperança, sejam pacientes na tribulação, perseverem na oração. Comparti- lhem o que vocês têm com os santos em suas necessidades. Pratiquem a hospitalidade. Abençoem aqueles que os per- seguem; abençoem, e não os amaldiçoem. Alegrem-se com os que se alegram; chorem com os que choram.” Romanos 12:4-15

Perceba como este texto é claro ao nos ensinar um esti- lo de vida radicalmente contrário ao egoísmo e ao indi- vidualismo. O bem da comunidade é promovido, porque, ao invés de cada um viver focado em si próprio, tentando se agradar, cada um olha como pode servir e cuidar das outras pessoas.

A mesma orientação é valida para nós hoje. Nossa célula é parte do Corpo Vivo de Cristo e, como tal, uma amostra onde esses valores do serviço, hospitalidade, amor, per-

Todos os direitos reservados à Igreja Batista Central de Belo Horizonte

2

dão, ajuda mútua e paciência, devem ser praticados. O povo de Deus hoje é chamado a refletir a presença do seu Senhor na maneira de viver, tendo a simpatia do mundo ao redor e diariamente acrescentando aqueles que forem sendo salvos.

Discussão em Grupo – após explicar o conceito bíblico de um povo que serve a comunidade e aos estrangeiros, refletindo a presença de Deus, promova um debate desa- fiando os presentes a se expressarem acerca dos itens abaixo:

• Considerando as orientações de Paulo em Romanos 12, quais nossa célula tem praticado e quais precisamos me- lhorar?

• Como podemos investir em nossos relacionamentos, a fim de desenvolver o bem da nossa comunidade e das pessoas ao redor?

INSTRUÇÕES FINAIS

Nosso estudo hoje está repleto de princípios e referências bíblicas capazes de revolucionar a qualidade das nossas células que não são meras reuniões, mas sim partes do Corpo Vivo de Cristo. Se sua célula tem se limitado a ape- nas uma reunião semanal, vocês estão perdendo o melhor que Deus preparou para vocês viverem, em termos de co- munidade e relacionamentos.

Estude o material, bem como as referências bíblicas. Me- dite e transmita a essência do estudo com as suas pró- prias palavras. Lembre-se de delegar partes da reunião para pessoas da sua célula colaborarem. Aproveite o que- bra-gelo e as duas sessões especiais de discussão para estimular a participação das pessoas e promover mudan- ças em sua célula!

AVISOS

• CCM Inscrições abertas

Inscrições até dia 3 de agosto. Início das aulas: 6 de agosto.

• Conferência Graça Transformadora

Neste mês, a Central receberá a Conferência Graça Transformadora, do Ministério Orvalho.

Um tempo incrível na presença de Deus com o Pr. Luciano Subirá.

Para mais informações, acesse o site:

central.online/gracatransformadora22

• Audições Central MSC l Inscrições abertas até 17/Jul

Se você deseja fluir na adoração e servir ao Senhor com os seus talentos e habilidades, a hora é essa. Ore e ins- creva-se para a nossa fase de audições, você pode ser o próximo integrante da Central MSC.

Para se inscrever, acesse: central.online/voluntarios