Série - maio 30, 2024

As bem-aventuranças • 15 a 20 de maio

INTRODUÇÃO

Toda nação tem sua constituição e todos os povos têm suas leis, culturas e valores. O mesmo acontece com o Reino de Deus. Quando Jesus proferiu o Sermão do Monte ele estava estabelecendo a constituição do seu Reino. São os princípios fundamentais para aqueles que são seus discípulos e querem viver segundo a vontade de Deus.

Interessante observar o que Jesus afirmou em Mateus 5.19:

“Todo aquele que desobedecer a um desses mandamentos, ainda que dos menores, e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será chamado menor no Reino dos céus; mas todo aquele que praticar e ensinar estes mandamentos será chamado grande no Reino dos céus.”

Ele afirma que todo aquele que praticar e ensinar estes princípios e mandamentos será grande no Reino dos céus. Ele deseja e espera que proclamemos esta mensagem em todo lugar, na célula,  em casa, no trabalho. Que este seja nosso assunto nas conversas com os filhos, nas células, em conversas com amigos, porque esta é a sabedoria que todos precisam e, por isso, quem ensiná-la, será recompensado. É uma promessa de Jesus.

QUEBRA-GELO

Vamos falar sobre algumas características marcantes de alguns povos. Por exemplo: quais são as características mais marcantes dos:

  1. Ingleses
  2. Alemães
  3. Italianos
  4. Japoneses
  5. Brasileiros

E o povo de Deus? Como você pensa que deveria ser um verdadeiro cristão? Quais seriam as principais características dos discípulos de Jesus?

O POVO MAIS FELIZ DA TERRA

Jesus começa o Sermão do Monte, também conhecido como a Constituição do Reino de Deus, utilizando uma expressão tão forte: bem-aventurados!

Pergunta: Você sabe o que significa essa expressão?

A expressão “bem-aventurado” descreve alguém que é muito feliz, que possui a glória dos céus e que está em um estado de graça constante, com paz na alma. São sinônimos de bem-aventurado: bem-afortunado, bendito, ditoso, feliz, venturoso, próspero e abençoado.

Na lição de hoje, vamos tratar sobre oito características dos verdadeiros crentes. A primeira seção do Sermão do Monte (Mateus 5.1-11) trata da natureza do povo de Deus, de características que deveriam ser comuns a todos os cristãos.

Assim como podemos facilmente diferenciar um japonês de um alemão, ou um americano de um brasileiro, devemos ser capazes de identificar um legítimo cristão por seu comportamento e características bem evidentes.

Infelizmente, o cristianismo atual afastou-se tanto do padrão original de Jesus, que a maioria não vive neste nível e, pior ainda, muitos pensam que os que vivem como legítimos cidadãos do Reino são casos excepcionais. Mas é exatamente assim que Deus quer que sejamos. Se “batermos o olho” nos cidadãos do Reino de Deus, como eles devem ser?

Leitura Bíblica: Mateus 5.1-11

Vendo as multidões, Jesus subiu ao monte e se assentou. Seus discípulos aproximaram-se dele, e ele começou a ensiná-los, dizendo:

Bem-aventurados os pobres em espírito, pois deles é o Reino dos céus.

Bem-aventurados os que choram, pois serão consolados.

Bem-aventurados os humildes, pois eles receberão a terra por herança.

Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, pois serão satisfeitos.

Bem-aventurados os misericordiosos, pois obterão misericórdia.

Bem-aventurados os puros de coração, pois verão a Deus.

Bem-aventurados os pacificadores, pois serão chamados filhos de Deus.

Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, pois deles é o Reino dos céus.

Bem-aventurados serão vocês quando, por minha causa os insultarem, perseguirem e levantarem todo tipo de calúnia contra vocês.

  1. São pobres em espírito (verso 3). Não significa pobreza material, ou ser culturalmente ignorante e nem tampouco significa ser naturalmente humilde. Significa, em primeiro lugar, ser livre de orgulho. Significa, por isso mesmo, reconhecer sua absoluta necessidade espiritual diante de Deus (Lc 18.10-14). É ter um coração contrito e quebrantado (Is 57.15) e reconhecer sua limitação e sua pobreza espiritual. É ter o espírito vazio de si mesmo, das coisas do mundo e de suas paixões e procurar ser cheio de Deus.

Pergunta: Você é humilde?

  1. Eles choram (verso 4). Este chorar não é por coisas naturais (morte do pai, crise familiar, etc.), mas tem a ver com não estar contente nunca com o que já temos de Deus, estar sempre clamando por mais Dele. Feliz é aquele que tem este desejo de crescer e se aprofundar mais no conhecimento de Deus. Os verdadeiros crentes não são felizes com pouco de Deus, mas se entristecem porque anseiam por mais de Deus. Também choram pela situação das pessoas, de compaixão por tantos que continuam

Pergunta: Você chora?

  1. São humildes (verso 5). Significa que começam a ser exatamente como Jesus, que era manso e humilde de coração. Mesmo sendo o Rei Eterno, se tornou homem pequeno, vazio, praticou o que neste verso está ensinando e nos convida à humildade, a ser como ele. É como se dissesse: “Tudo o que você tem fui eu que dei e darei, seja influência, poder ou recursos econômicos. Não para você simplesmente, mas para que você seja humilde e sirva os outros com isto, porque eu amo a humildade”. Quanto mais influência, poder e posição alguém tem, aí é que tem que se curvar e se abaixar para servir a todos com humildade. É isto que Jesus gosta. O mundo hoje pertence aos arrogantes, aos valentes e aos fortes, mas o Senhor diz que a terra, por fim, será dos mansos, gentis e humildes.

Pergunta: Você serve? Ou só quer ser servido?

  1. Eles têm fome e sede de justiça (verso 6). Ter fome e sede é uma condição básica para o crescimento. É necessário haver fome por mudança e transformação na própria vida, na família, no trabalho e em todas as circunstâncias que nos cercam. Precisamos ter fome do próprio Senhor Jesus, não de bênçãos ou de experiências espirituais. Ter fome da justiça de Deus, da sua vontade, da sua santidade. A maior causa da fraqueza e raquitismo espiritual é a falta crônica de apetite e sede espiritual. O apetite do cristão deve ser direcionado para o que é certo. Nunca satisfazê-lo com coisas que são inúteis, que não satisfazem e que, por isso, a fome sempre volta. O discípulo de Jesus será feliz se não matar sua fome com entretenimento, com riqueza, com luxo, , mas com a busca da justiça para com Deus (justificado pela fé no sangue de Jesus), da justiça moral (caráter que agrada a Deus; conduta) e da justiça social (luta pela libertação de toda forma de opressão e injustiça social). Nossa fome e sede de justiça devem incluir estes três níveis de justiça: para com Deus, para conosco mesmo e para com o próximo.

Pergunta: Você tem fome e sede de justiça?

  1. São misericordiosos (verso 7). O cidadão do Reino quer justiça; por isso, é correto consigo mesmo e busca os padrões de Deus. Mas é, ao mesmo tempo, Sabe oferecer perdão e misericórdia ao pecador. A misericórdia é diferente da graça. Misericórdia é quando Deus não dá o que merecemos, e graça é quando Deus dá o que não merecemos. É interessante que quando temos sede de justiça, podemos nos tornar implacáveis no castigo e punição dos faltosos, mas Jesus equilibra seu ensino ao nos conduzir à misericórdia. O cristão pode ter oportunidade de vingar-se e ferir pessoas que o feriram, mas não o fará. Mesmo que tenha condições e até poder para fazê-lo, sempre estenderá misericórdia para todas as pessoas. Porque a misericórdia se manifesta no perdão. Aquele que é misericordioso sempre perdoa.

Pergunta: Você sempre perdoa?

  1. São limpos de coração (verso 8). Deus não vê a aparência, vê o coração. Há pessoas que por fora parecem tão boas e religiosas, mas em seu coração não agradam a Deus. Ser limpo de coração não é simplesmente ser limpo por fora, com boa reputação, mas é ser limpo no íntimo, no caráter, é ser limpo para com Deus. Não é aquele que olha para um lado e para o outro para ver se alguém está observando, mas é alguém que olha para cima, pois sabe que Deus tudo vê. São limpos de coração quando rejeitam a hipocrisia, a falsidade e são inteiramente sinceros. Os limpos de coração não tem nada a esconder. Não é mais limpo quem nunca se suja, mas sim quem sempre se limpa através do arrependimento e da confissão. Jesus certamente estava enfatizando o fato de que a verdadeira pureza é no íntimo, no coração, e não meramente no exterior ou nas cerimônias religiosas, como ensinavam os fariseus. São felizes os limpos de coração porque eles verão a Deus. Só os limpos de coração conseguem enxergar a Deus por trás de tudo e percebem Sua mão conduzindo-os.

Pergunta: Você limpa sempre o seu coração? Como faz isto?

  1. São pacificadores (verso 9). Jamais promovem o conflito, ao contrário, onde estão promovem a paz e a reconciliação. A ordem bíblica é clara: “Afaste-se do mal e faça o bem; busque a paz com perseverança.” (1Pe 3.11). Isto nem sempre depende de nós, mas a Bíblia diz: “Façam todo o possível para viver em paz com todos” (Rm 12.18). Somente será um pacificador aquele que coloca Jesus, o Príncipe da Paz dentro de si, pois só há paz onde Ele reina.

Pergunta: Você está em paz com todas as pessoas? Você é um promotor da paz?

  1. São perseguidos por causa da justiça e por causa do Senhor (verso 10). Pode parecer que quem demonstra em sua vida estas características de discípulos de Jesus será sempre amado e bem aceito, mas não é assim que acontece. Em geral, quem vive como verdadeiro discípulo, será perseguido por causa da justiça. Não porque faz algo errado, mas exatamente porque a integridade e a santidade incomodam. Felizes são estes, porque não aceitam fazer concessões somente para agradar às pessoas, e vivem de modo a agradar a Deus. O mundo é contra Deus e será contra os servos de Deus também. Todo aquele que quiser seguir Jesus fielmente será perseguido (2Tm 3.12).

Pergunta: Seu estilo de vida incomoda?

CONCLUSÃO

As bem-aventuranças pintam um quadro do discípulo de Jesus:

  • Ele é humilde de espírito, reconhece sua pobreza espiritual e chora por causa dela.
  • Isso o torna manso e gentil em seus relacionamentos.
  • Longe de se conformar com o pecado, ele tem fome e sede de justiça, anseia crescer em Deus e em sua santidade.
  • O seu relacionamento com Deus faz dele alguém misericordioso para com os outros e puro de coração, sincero e transparente.
  • Ele procura ser um pacificador, um reconciliador.
  • Ninguém lhe agradece por isso; antes, ele é hostilizado e perseguido por causa da justiça que defende e por causa do Cristo a quem segue.

A grande pergunta é: comparando-se com este perfil de um discípulo de Jesus, você se encaixa nele? Você já é um discípulo de Jesus e tem visto sua vida avançando no processo de transformação?

Se já é um discípulo, esta série de estudos lhe dará entendimento do que o Senhor Jesus agora requer de você. Se ainda não se enxerga um discípulo, tome agora mesmo a decisão de entregar sua vida a Jesus e recebê-lo em seu coração. A presença dele vai mudar a sua vida.